sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

A triste história de Marinalva, a feia!

Marinalva tinha esse nome porque era feia. Se fosse bonita com certeza seria Nicole ou Júlia ou Sabrina. Ela não gostava de pintar nem de cantar, pra ela o bom mesmo seria namorar. Tanto fazia que fosse o padeiro, o pedreiro ou o açougueiro, desde que a levassem pra passear no shopping e tivessem coragem de andar de mãos dadas com ela.
Marinalva tinha ancas largas e para abraçá-la seria necessário muito mais que um abraço de braços longos, talvez um polvo gigante. Marinalva era cheia de carnes fartas, seus seios pareciam querer saltar da sua blusinha branca justinha e sair pedalando por aí sem rumo... era muita carne, por isso a sua preferência era pelo Juvêncio, o açougueiro tarado! Mas ó, que o destino não foi tão bom assim! Carne por carne, a tragédia anunciada foi concebida numa noite sem lua, totalmente iluminada pela escuridão do rio. E enquanto Marinalva sentia tudo aquilo que sempre sonhou (ai!), um bigode estranho de um beijo afobado na orelha (susto!) - Juvêncio não era homem de usar bigode, então Juvêncio não era Juvêncio! Seria o padeiro ou o pedreiro? As outras duas opções num universo de 3 homens predestinados à Marinalva. Qual deles mais se parecia com um polvo ou seria capaz de sair de um rio numa noite sem lua? Marinalva ficou imóvel a partir de então, intocada. E o polvo foi embora sem dormir.

5 comentários:

Lelo disse...

Certamente um absurdo, um polvo, cheio de dedos bulinando a moça ingênua e pura!

Du disse...

Cê acha mesmo? Mas e se não fossem dedos e sim tesouras? Meda...

Adriana disse...

Hããã?!? Gente, desculpem-me mas estou viajando na maionese... (tá, sei que essa é velha, mas foi a que lembrei agora!) hehehehe Mas mesmo assim, já vi que vou gostar daqui! :-)

Du disse...

Eba!!!!
Pena que eu não gosto de maionese...:(

Adriana disse...

Ahh, Du, hoje em dia tem até umas com sabores, vc devia experimentar, mas cuidado com o colesterol! ;)